Indicamos

novo Honda Civic começa com experiência virtual DETALHES
Ford Fusion 2017 estreia no Brasil em setembro DETALHES
Range Rover Evoque nacional preço R$ 224 mil DETALHES
Data: 09 de junho de 2017

NOTÍCIAS

Dicas para dirigir bem um carro automático

O câmbio automático era algo complicado e despertava curiosidade de muito motorista. O componente foi disseminado e passou a ser objeto de desejo de muitos condutores, a prova disso é que a procura por modelos com este tipo de transmissão aumentou 30% em apenas um ano. No entanto, a pergunta que fica é: você sabe utilizar este equipamento corretamente? No mercado de automóveis brasileiro a hora é do carro automático. A razão é simples: no congestionamento das grandes cidades, o câmbio automático diminui o estresse e o cansaço. Até os modelos populares já estão sendo fabricados com câmbio automático. O carro com câmbio manual é dotado do sistema de embreagem, por pedal. O carro automático possui um conversor de torque, que transmite a força do motor ao sistema de transmissão. A mudança das marchas acontece de acordo com a velocidade do veículo e a rotação do motor, sem necessidade da alavanca manual. No carro automático, o pé esquerdo, que operava a embreagem fica livre e o direito comanda o acelerador e o freio.

  • Vantagens do carro automático
  • Comodidade - o condutor não precisa acionar a embreagem nem alterar a posição da alavanca do câmbio, o carro troca as marchas automaticamente. Para quem tem algum tipo de problema físico, que impede ou limita a direção em carros manuais, o carro automático é uma alternativa. Muita gente deixou de sentir dor no pé esquerdo depois que adotou o modelo. Por ter controle automático, o carro não “morre”, como efeito de troca de marcha errada. O carro engatado na posição D sustenta sua posição enquanto se aguarda a abertura de um farol, não se movimenta para trás se houver uma inclinação na rua.

  • Desvantagens
  • Há quem não goste do carro automático porque reduz a “emoção” de dirigir e se assemelhar a um carro de brinquedo.Geralmente os carros automáticos consomem mais combustível do que os manuais, em torno de 15%.Os carros automáticos ainda são caros para o brasileiro. A manutenção é mais cara do que o sistema mecânico, principalmente se envolver reparos no sistema de transmissão automática. Preço dos carros automáticos mais baratos no Brasil O mercado brasileiro de carros automáticos se expande, com lançamentos recentes, como o Toyota Etios, modelo hatch e sedã. Outros estão se tornando mais populares, como os modelos da Nissan, March e Versa. Os modelos automáticos e CVT, sem consideram os automatizados simples, têm um preço médio variando em torno de R$ 50.000 a R$ 60.000, se for 0 km. O valor não é pequeno para o brasileiro, mas a opção do conforto está fazendo com que os modelos semi-novos e usados tenham bastante procura. Atualmente os 10 modelos mais baratos, em valores vigentes em abril de 2017*, são os seguintes:

  • Modelos:
  • 1. Toyota Etios Hatch 1.3 - R$ 50.990
  • 2. Kia Picanto - R$ 51.990
  • 3. Toyota Etios Sedã - R$ 55.690
  • 4. Nissan March - R$ 55.790
  • 5. Chevrolet Onix LT - R$ 55.890
  • 6. Hyundai HB20 Comfort Plus - R$ 56.880
  • 7. Nissan Versa SV - R$ 58.840
  • 8. Citroen C3 Tendance - R$ 60.090
  • 9. Chevrolet Prisma LT - R$ 60.190
  • 10. Hyundai HBS Comfort Plus - R$ 61.115
  • Entenda os comandos do carro automático
  • P- PARKING (estacionamento) - posição que deve ser utilizada quando o carro está estacionado. O câmbio trava as rodas, o carro não se movimenta, mesmo que o motor esteja em funcionamento.

    N - NEUTRO (ponto morto) - as rodas não ficam travadas, mas o carro não obedece ao comando de aceleração. Na posição N, o carro se movimenta, seguindo a inclinação ou força do impulso, exigindo que o condutor use o freio com o pé ou freio de mão.   

    D - DRIVE - A posição que exige maior atenção, porque quando a alavanca está em D o veículo já se movimenta para frente, mesmo antes do motorista acelerar. Para iniciar o movimento, com a alavanca em D, é preciso estar com o pé no pedal do freio e controlar a movimentação.

    R - REVERSE (Ré) - sempre com o pé no pedal do freio e o carro parado, se coloca a alavanca no R para manobrar para trás. Com a alavanca em R o carro se movimenta mesmo que o motorista não acelere.

    4 - 3 - 2 - 1 (L): - posições que permitem o bloqueio das marchas. Em situações em que o veículo troca várias vezes de uma marcha para outra, essa posição é utilizada para bloquear a troca de marchas. 1 e 2: essas posições são utilizadas nos câmbios totalmente automáticos quando é necessário utilizar a força do motor, para uma subida íngreme, por exemplo. Se a alavanca estiver na posição 1, ele não mudará de marcha mesmo que você aumente muito a rotação acelerando. Na posição 2, o câmbio ficará sem ir para terceira marcha. Esta posição é muito utilizada como freio motor em descidas de serra, pois o motorista consegue segurar um pouco o veículo sem ter que pressionar o freio constantemente, evitando o superaquecimento dos discos e das pastilhas do freio.
  • Dicas para usar um carro com câmbio automático
  • 1. Procure se adaptar ao carro automático, adotando um período de treinamento em local seguro e pouco movimentado, até que esteja acostumado com o novo sistema.

    2. Coloque o cinto de segurança e leia atentamente as instruções quanto à operação do câmbio automático.

    3. Antes de dar a partida, verifique se a alavanca do câmbio está na posição P. Ao ligar o carro, pise no pedal do freio.

    4. Esqueça a perna esquerda, você somente vai usar o pé direito. Para evitar que você pise inadvertidamente no freio, supondo ser a embreagem, coloque a perna esquerda encostada na porta do motorista ou dobrada e encostada no banco, bem longe dos pedais. Pisar no freio, como se fosse a embreagem, pode causar um acidente, pois a freada será brusca.

    5. Com o carro ligado e o pé direito no freio, coloque a alavanca do câmbio no D ou R, conforme a necessidade de manobrar. Solte o freio de acordo com a movimentação desejada. Pisar ou soltar o freio com o carro engatado em D ou R dispensa a necessidade de pisar no acelerador, o carro se movimentará para frente ou para trás.

    6. Depois de sair do local do estacionamento, a circulação normal na rua somente vai exigir que a alavanca esteja na posição D. A velocidade será controlada com o acelerador e a redução de velocidade com o freio.

    7. A regra para estacionar é a seguinte: Ao parar, pise no pedal do freio, coloque a alavanca na posição N, acione o freio de mão, leve a alavanca para a posição P, desligue o veículo.

  • Como evitar erros com carros automáticos
  • Por ser um carro automático, os comandos são bem simples, entretanto, é preciso atenção, porque muitos acidentes acontecem porque os que se entusiasmam com a praticidade em dirigir, acabam por negligenciar a segurança. É preciso muita atenção com as posições da alavanca, porque tudo depende de selecionar a opção certa. Para isso existe o indicador de posição da alavanca luminoso no painel, que deve servir para confirmar se a alavanca foi corretamente  colocada na posição escolhida. Em alguns modelos automáticos, os câmbios não têm engates precisos, o que pode confundir o motorista. Por exemplo, a posição N (Neutro) pode ser confundida com a posição D (Drive) e o motorista acelera, mas o carro não anda. Se estiver em declive, o carro na posição N pode se movimentar no sentido da inclinação do piso. O contrário também acontece, o carro está engatado no D ou R e o motorista acreditar que está no N, provocando o movimento incontrolado. Antes de pisar no acelerador, verifique a posição da alavanca e confira no visor luminoso a posição correta. Antes de abrir a porta e sair do veículo, verifique se o carro está engatado na posição P (Parking). Em alguns modelos automáticos, a chave não sai do contato se a posição P não estiver selecionada. Os mais modernos têm essa posição selecionada automaticamente, mas é preciso sempre conferir. Outro cuidado é ao abrir a porta para um passageiro descer, sempre verificando se o carro não está engatado.

  • Outras dicas:
  • - Não rode com o câmbio na posição N. Essa não é a opção para economizar combustível ou freio ou câmbio. Na posição N o óleo do câmbio não circula para lubrificação, o que pode danificar o câmbio, que é a parte mais sensível e cara do veículo. Além de não ser uma opção segura, porque o carro fica solto.

    - A alavanca só pode ser mudada para D (Drive) ou R (Ré) com o carro parado. Nunca engate a ré com o veículo em movimento. Pare totalmente o carro, aperte o botão de travamento ou passe pelo ponto N e só então coloque no “R”. Também não engate o “P” com o carro ainda em movimento, pois isso pode prejudicar a durabilidade do sistema de transmissão. 

    - Na descida, não use D nem N, já que na primeira o carro pode ganhar muita velocidade e no N o câmbio fica sem lubrificação. Além disso, os freios são forçados. O ideal é usar a posição 2 ou 3, que acionam o freio do motor.

    Profissionais que trabalham com manutenção de câmbio automático recomendam que a troca do óleo do câmbio deve ser feita a cada 30 mil km rodados, apesar dos fabricantes de automóveis indicaram a necessidade a cada 50 mil km. Na dúvida, muitos adotam a estratégia de trocar a cada 40.000 km. O fluído do câmbio, quando engrossa e fica escuro, indica que já perdeu suas propriedades e está contaminado. Quando o óleo não circula bem na transmissão, o carro começa a trepidar ao arrancar e na troca de marcha. A manutenção deve ser feita, antes que os custos aumentem, chegando a equiparar o valor total do carro, no caso de um modelo usado. Divulgados na Gazeta do Povo.
  • Página Principal
  • Vitrine